Ruínas do Abarebebê: uma viagem ao passado

Ruínas do Abarebebê: uma viagem ao passado

 Ruínas do Abarebebê: uma viagem ao passado

Uma das primeiras igrejas construídas no Brasil está localizada na cidade de Peruíbe.  Construída com pedra, areia, conchas e óleo de baleia, pelos jesuítas e franciscanos, na segunda metade do século XVI, com o intuito de catequizar os índios tupis que viviam na região, a Igreja Consagrada Nossa Senhora da Conceição ou Igreja Abarebebê como era chamada pelos índios, hoje em ruínas é patrimônio histórico nacional.

 

O monumento que foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Turístico de São Paulo (Condephaat), em 1984, no passado também foi o segundo colégio de meninos do Brasil e ali se formou o único aldeamento na região litorânea do estado de São Paulo.

 

O ponto turístico de Peruíbe entre todos os sítios arqueológicos da cidade é o mais visitado e de fácil acesso. Para os turistas que buscam um passeio cultural repleto de história, as Ruínas do Abarebebê é uma ótima opção.

 

Abarebebê, em tupi-guarani faz alusão ao padre voador. Assim era chamado o Padre Leonardo Nunes, um dos primeiros jesuítas a chegar na região de Peruíbe, também conhecido por ir de um lugar a outro de forma rápida.

 

Deste sítio arqueológico situado em Peruíbe, já foram resgatadas mais de 50 mil peças, e grande parte delas, encontram-se no Museu de Arqueologia da USP. No local, há vários painéis informativos que contam um pouco da história da Igreja Abarebebê, assim como um desenho de 1776 feito pelo engenheiro militar português José Custódio Sá e Faria, onde ele reconstituiu o formato original da igreja.

 

As ruínas guardam muitas histórias, entre elas os sete degraus que dá acesso à igreja, simbolizando os pecados capitais. A obra era comum nas igrejas construídas naquela época.  Por se tratar de um patrimônio histórico, não é permitido pisar nos degraus, por isso foi construído uma escada de madeira para que o visitante possa acessar a “área interna” da igreja.

 

Ao fim da escadaria está as ruínas do que foi o batistério. Aliás, a pia bastimal, feita no século XVI foi uma das peças retiradas para exposição. Hoje, ela encontra-se no Museu do Ipiranga, na capital paulista.

 

O espaço, além das ruínas guardam uma paisagem exuberante repletas de pássaros, um enorme gramado e várias árvores de jambolão. A brisa e a vista do mar são o cenário desse patrimônio histórico da fundação da cidade de Peruíbe.

 

Se você pretende passar alguns dias na praia, não deixe de conhecer as Ruínas do Abarebebê. O local está aberto para visitação das 10h00 às 16h00, de quarta a sexta-feira, e das 11h às 17h aos sábados e domingos. Para grupos maiores, o ideal é seja agendada diretamente com o departamento da Cultura da cidade.

One Reply to “Ruínas do Abarebebê: uma viagem ao passado”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *